ASPECTOS HISTÓRICOS E CULTURAIS

O município de Bom Jesus do Tocantins foi criado pela Lei nº 5.454, de 10 de maio de 1988 sancionada pelo então governador Hélio da Mota Gueiros, com área desmembrada do município de São João do Araguaia.

Esta Lei estabeleceu que, enquanto o município de Bom Jesus do Tocantins não possuísse legislação própria, seria regido pelas leis e atos reguladores do município de São João do Araguaia, e integraria a Comarca Judiciária de Marabá. A instalação do Município aconteceu no dia 1º de janeiro de 1989, com a posse do prefeito Lúcio Antunes da Silva, vice-prefeito e vereadores eleitos.

A história de Bom Jesus do Tocantins está relacionada com a do Município que lhe deu origem, São João do Araguaia. Por volta de 1960, devido à inexistência da rodovia estadual PA-70 (atual BR-222) e, também, quando a oferta de terras devolutas era muito restrita, poucas pessoas tinham acesso àquela região.

Segundo a memória social local, foi o maranhense Adão Alvino de Souza em 1962, quem primeiro se estabeleceu em terras do já formado município de São João do Araguaia, onde iniciou uma roça. Com o tempo, em 1966, outros maranhenses foram-se instalando no local. Por volta de 1968 ali habitavam cerca de 60 moradores.

Foi então que construíram uma escola e, em 1969, foi fundado o povoado com o nome de Bom Jesus do Tocantins. A emancipação político-administrativa e econômica foi inevitável em função do difícil acesso ao município-mãe, longe cerca de 150 Km que impedia o povoado de receber apoio regular e necessário ao seu desenvolvimento.

Assim foi feito o plebiscito, a votação foi praticamente 100 % favorável para transformação em município. Em 1991, pela Lei nº 5.708, de 27 de dezembro de 1991, o município de Bom Jesus do Tocantins, teve parte de suas terras desmembradas para a criação do município de Abel Figueiredo, anteriormente o seu principal Distrito.

A denominação Bom Jesus surgiu a partir das idéias de moradores mais antigos que consideravam ser este um nome significativo, pois é o nome do filho de Deus. O Município possui, somente, o distrito-sede: Bom Jesus do Tocantins.

ASPECTOS FÍSICO-TERRITORIAIS

O município de Bom Jesus do Tocantins pertence à Mesorregião do Sudeste Paraense e à Microrregião Paragominas. O Município é entrecortado pela rodovia BR-222, antiga PA-70, que liga Marabá à rodovia Belém-Brasília. A sede municipal tem as seguintes coordenadas geográficas: 05º 03′ 55″ de latitude Sul e 48º 36′ 05″ de longitude a Oeste de Greenwich.

LIMITES

Ao Norte – Município de Rondon do Pará.

A Leste – Estado do Maranhão e Município de Abel Figueiredo.

Ao Sul – Estado do Maranhão e Município de São João do Araguaia A Oeste – Municípios de Marabá e Rondon do Pará.

SOLOS

Os solos do Município são representados pelo Podzólico Vermelho-Amarelo, textura argilosa; Podzólico Vermelho-Amarelo plíntico, textura argilosa; Concrecionários Lateríticos indiscriminados distróficos, textura indiscriminada; Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico, textura média e textura argilosa; Podzólico Vermelho-Amarelo, textura média; Gley Pouco Húmico e Solos Aluviais eutróficos e distróficos, texturas indiscriminadas.

VEGETAÇÃO

A tipologia vegetal do município de Bom Jesus do Tocantins comporta os seguintes subtipos: Floresta Densa submontana, em relevo aplainado, da sub-região da superfície arrasada da Serra dos Carajás; Floresta Densa dos Altos platôs, da sub-região Pará-Maranhão e Floresta dos Terraços aluviais formados pelo rio Tocantins. A forte presença de Florestas Secundárias e Campos Artificiais deve-se ao assédio permanente de agricultores e pecuaristas sobre AS Florestas Primitivas da Terra Firme, NO afã de implantar cultivos de subsistência e pastagens artificiais, que, ao serem abandonados, favorecem a recomposição da Floresta de Capoeira.

PATRIMÔNIO NATURAL

A alteração da cobertura vegetal, observada em imagens de satélite LANDSAT-TM, do ano de 1988, somou 54,91% . O desmatamento do município de Bom Jesus do Tocantins está incorporada ao ocorrido NO município de São João do Araguaia, pois quando o levantamento foi realizado suas terras ainda não haviam sido desmembradas daquele Município.

Os acidentes geográficos ecologicamente mais importantes são os rios Mãe Maria, Jacundá, Jacundazinho e Grapiá. A área indígena Mãe Maria, com 62.488,45 ha (624,88 Km2), localiza-se neste Município e é cortada pela Rodovia Federal BR-222 e pela Ferrovia Carajás-São Luís. TOPOGRAFIA Na variação topográfica de Bom Jesus do Tocantins, aparecem cotas altimétricas com valores que vão de 330 metros, a nordeste, do Município, até cerca de 90 metros, ao sul de seu território, com a sede municipal localizada a 166 metros acima do nível do mar.

GEOLOGIA E RELEVO

A geologia do Município é representada por áreas de exposição de rochas do período Pré-Cambriano, que correspondem ao Grupo Tocantins (filitos, xistos, gnaisses, quatzitos, etc.); áreas com exposições de rochas de idade Mesozóica, representativas da Formação Itapecuru (arenitos caulíniticus e argilitos); áreas do Cenozóico, que constituem a Formação Barreiras (arenitos, argilitos e siltitos) do período Terciário e sedimentos Inconsolidados (areia, siltes, argilas e cascalhos) do período Quaternário Recente e Sub-atual.

O relevo é relativamente movimentado, com áreas dissecadas, superfícies aplainadas, eventuais serras de pequena extensão, áreas tabuliformes, colinosas e de várzea, que estão inseridas nas unidades morfoestruturais da Depressão Periférica do Sul do Pará e do Planalto Setentrional Pará-Maranhão.

HIDROGRAFIA

O rio Tocantins é o principal acidente hidrográfico de Bom Jesus do Tocantins e recebe, juntamente com o seu afluente, o rio Jacundá, toda a drenagem do Município. O Tocantins serve de limite NATURAL, ao sul, com o município de São João do Araguaia.

Os seus tributários mais importantes (sendo que, somente os da margem direita pertencem ao Município) são: o rio Flexeira, que serve de limite oeste com o município de Marabá; o rio Mãe Maria; o rio Jacundá e seus afluentes, o rio Jacundazinho e o igarapé Maguari; o rio Boa Sorte e seus afluentes, o Cajueiro e o Grapiá ou Gavião.

CLIMA

O clima do Município insere-se na categoria equatorial superúmido, do tipo Am, da classificação de Köppen, NO limite de transição para o Aw. Possui temperaturas médias anuais de 26,35º C, apresenta a média máxima em torno de 32,10º C, e mínima de 22,71º C.

A umidade relativa é elevada, apresentando oscilações entre AS estações mais chuvosas e AS mais secas, que vão de 100% a 52%, sendo a média REAL de 78%. O período chuvoso ocorre, notadamente, de novembro a maio, e o mais seco de junho a novembro, estando o índice pluviométrico anual em torno de 2.000 mm. Fonte: SEPOF-PA Portal Amazônia 05/02/2007 – KR